Friday, May 16, 2008

Parando no auge

Alguém já disse, uma vez, que uma coisa boa de trilogias é que no terceiro acaba. Realmente, a julgar pelas infindáveis seqüências de certos títulos cinematográficos, cada uma com menos qualidade que a anterior, é de se comemorar um final, tipo: ai, que bom, estou livre. Eu me senti assim com Matrix: o primeiro foi aquela coisa incrível, figurinos de vinil, Neo tudo de bom, etc e tal. O segundo já desceu bem mais quadrado, mas eu até dei um desconto, porque uma história tinha que ser contada ali, e tinha que deixar um gancho pro grand finale. Mas o terceiro... ui. Arrepio só de lembrar.

Mas algumas continuações funcionaram tão bem que deixaram até saudade. Lembro que quando assisti o primeiro do Senhor dos Anéis, saí do cinema ansiosa para a segunda parte. E quando vi o terceiro e último filme da série, rolou uma certa melancolia de perceber que tinha acabado ali. Quer dizer, eu não ia mais ficar esperando o lançamento no próximo ano, lendo a respeito, contando os dias...

O mesmo aconteceu com Kill Bill. Achei muito foda o Quentin Tarantino não ter se dobrado a mais uma trilogia ao dividir a saga de Beatrice Kiddo em duas partes apenas. E na minha opinião os filmes são tão equilibrados que é difícil separá-los de contexto. Pra mim, o 1 e o 2 são o mesmo filme, não há divisão. Por isso achava mega estranho quando alguém vinha me perguntar de qual dos dois Kill Bill eu gostei mais. Eu pensava: puts, esse cara não entendeu nada!

Mas, pelo visto, quem não entendeu nada fui eu. Porque ontem (quantos anos depois do lançamento do primeiro KB? Uns 4?), Tarantino anunciou que vai fazer o Kill Bill 3. Confesso que... dei uma brochada.

Eu queria ter o Kill Bill como aquela seqüência perfeita, dois filmes clássicos que se completam. Não queria testemunhar uma série que vai caindo de nível, como em O Poderoso Chefão. Porque isso me deixa meio deprimida, confesso.

Mas aí o cara quer fazer o terceido Kill Bill. Beleza, eu até confio nele. Até acho que ele é foda, que vai fazer um filme bom. Mas que soou desesperado, isso soou.
E a gente aqui de fora só fica esperando, com a certeza de que vamos todos assistir no cinema, mesmo que seja uma droga.

3 comments:

Anonymous said...

Adorei seu post!

Pessoal, essa eu tenho que recomendar, dois sites interessantíssimos: www.meus3desejos.com.br e www.videoflix.com.br.

Abs.

Massashi Hosono said...

It's all about money baby... Só não é quando não tem, mas aí é outra história (ou trilogia). =)

Bernardo Esteves said...

Mas dignidade é importante. O mito dos Beatles é tão forte justamente porque eles souberam parar na hora certa. Olha Jagger & Richards! Olha o Roger Daltrey cantando "Hope I die before I get old" aos 65! Alguém tem que avisar a eles do mico que estão pagando. Dignidade já!