Thursday, May 15, 2008

Foi algo que eu disse?

Faz pouco tempo que decidi colocar o endereço deste blog no meu currículo. É que eu achava que o Poça D'água era bobo demais para ser levado em consideração em uma disputa de trabalho e, além disso, algumas vezes os textos daqui assumem um ar confessional demais. Mas todas as minhas crenças foram abaixo quando uma entrevistadora admitiu que procurou meu nome no Google, achou o blog e leu de cabo a rabo. E achou os textos muito bons.

Se através do blog fui bem analisada, e se meu nome aparece facilmente em qualquer site de busca, por que não colocar a minha URL no currículo? Realmente não faz o mínimo sentido, ainda mais porque sou uma pessoa que, além de blog, tem Flickr, Twitter, Orkut (claro), MySpace e tantas outras nerdices inventadas na era da rede mundial de computadores.
E, convenhamos, o meu texto é bom!

O meu texto é bom. Eu sou uma profissional de televisão completa. Eu me adequo a qualquer cargo em poucas semanas. Eu gosto de sentir frio na barriga e de percorrer outros caminhos. Eu não tenho problemas com relacionamentos interpessoais. Aliás, eu não tenho nem problemas com oportunidades de trabalho, porque estou empregada, com bebefícios mil, e todos os meus chefes me elogiam.

Então por que eu nunca fui chamada para nenhuma das últimas três vagas a que me candidatei?

Eu fico pensando: "Será que fui muito arrogante quando disse que sou uma profissional de televisão completa? Mas... cara, eu sou mesmo! Será que eu deveria ter fingido que não? Será que eu deveria ter dito que sou completa mas que, por outro lado, ainda tenho muito o que aprender? As pessoas adoram ouvir que a gente tem muito a aprender com elas. Vai ver foi isso..."

Sempre que saio de uma entrevista, tenho certeza quase absoluta de que fui muito bem. Sei conversar e expor minhas qualidades, e admito que nunca fiz certa coisa, mas que também não tenho medo de tentar, etc etc. Então depois, quando não me procuram com a resposta, eu fico dias martelando: O que eu fiz de errado? É quase como terminar um casinho que você jurava que ia virar namoro. Do nada a história desanda, e você nunca sabe exatamente por quê.

Da última vez foi uma troca de emails com o pessoal de um respeitado site de música eletrônica. Mandei meu currículo e recebi uma resposta quase imediata, pedindo para listar meu gosto musical. Fiquei animada com a rapidez e pronto: discorri sobre o que tenho baixado, sobre o que descobri recentemente, sobre os últimos shows incríveis que eu vi, sobre meu vício na Last.fm... E depois, quando dei meu endereço na Last, nunca mais ninguém do site me escreveu.

Será que não gostaram do meu gosto musical?
Mas, cara... Eu tenho um gosto tão bom!

Estou me tornando uma especilista no pé na bunda de Recursos Humanos.

4 comments:

tatiana leão said...

já pensou na possibilidade de você ser... overqualified?

Baxt said...

Overqualified faz sentido. No Brasil muita gente quer um empregado que precise desesperadamente daquele emprego. Que nao vai ser o seu caso. Mas é o caso daquela outra ali que tambem fez entrevista e aceitou ganhar um pouco menos que vc.

Talvez vc tenha que ser mais seletiva com os potenciais empregadores :)

Massashi Hosono said...

Hahaha!!! E eu que achava vc modesta...rsrs. Mas é isso aê, sem falsidade. Concordo em parte com os comments de cima. Mas acho também que cada empresa procura um perfil específico, independente de "saber vender o peixe" ou não. Já tive muito essa sensação e as vezes era contratado justamente por quem eu achava que nunca ia fazer isso. É um misto de circunstância e "competência".

B. said...

menina!
eu mandei meu cv esta tarde pra este site de música (só pode ser o mesmo...rs). saí listando meus gostos musicais e os shows legais que fui. até agora, não tive resposta alguma. e tô achando que nem vou ter... ;)
beijo