Thursday, July 05, 2007

Novas velhas amizades

Meus amigos às vezes me cansam. Alguns têm o poder de falar a coisa errada na hora certa e, dessa maneira, magoar meu pobre coraçãozinho sensível. Tenho pensado muito sobre por quê os amigos fazem isso, por quê muitas vezes eles são cruéis - mas não sem esquecer que eu também já fui muito cruel com eles. Muito cruel mesmo. Será que a crueldade é uma característica do ser humano?

Mas ao mesmo tempo que os amigos mais íntimos têm me tirado do sério, ando redescobrindo outros, nem tão amigos assim, que andavam esquecidos. Cheguei à conclusão de que tem uma galera no Rio que eu mal conheço há uns dez anos. É possível você passar dez anos só falando: "oi, tudo bem?" para uma pessoa? Essa é a síndrome da noite: aquela situação em que a música está tão alta que é impossível estabelecer uma conversa.

Dia desses resolvi fazer diferente e marquei um chope com pessoas que originalmente só encontro depois de uma da manhã. Resultado: fui surpreendida. Eu, que tenho uma tendência a rotular precocemente as pessoas, percebi que gente que sai à noite também sabe conversar. Eu acreditava de verdade que fazia parte de um grupo restrito de gente que tem substância para manter uma conversa por mais de dez minutos sem mencionar uma única vez os efeitos de determinadas drogas. (Se tem uma situação que me testa a paciência é a pergunta: "o que você tomou hoje?" Rola muuuito por aí, infelizmente).

Ai, como eu adoro ser surpreendida. O chope foi ótimo, o papo foi ótimo, e eu terminei a minha terça interessada na humanidade de novo.
De vez em quando é bom dar uma reciclada nas amizades.

1 comment:

Zander Catta Preta said...

Deu certo a parada dos livrinhos?

beijos