Friday, July 08, 2011

Caderninho

Queria tanto ter um moleskini com desenhos incríveis. Só que não sei desenhar, e não tenho um moleskini, mas carrego na bolsa o caderno que ganhei da Paulinha quando a gente fez aquele trabalho prum escritório de design. Eu escrevendo e ela desenhando, é claro. O trabalho acabou - rendeu bons frutos, inclusive - mas o caderno resistiu e hoje mora na minha bolsa, todo sujinho e cheio de orelhas causadas pelo dia-a-dia de turbulência do meu saco de coisas. São anotações de trabalho, de lazer e de pura viagem mental: eu sento por muitos minutos e fico vendo a vida passar, e escrevo pra ver se consigo entender alguma coisa do mundo.

Durante um tempo eu achei que as respostas pras grandes questões da vida eu conseguiria em livros e filmes. Depois eu vi que não é bem assim, não é a resposta da pergunta que está ali nos filmes e nos livros, é a pergunta que mora naquelas páginas. Por isso agora quando eu não sei o que perguntar, eu compro um livro novo: eu queria fazer uma pergunta sobre amor, mas não sabia qual, e aí comprei o "Um Dia". Pra sonhar com um casal como aquele, e pra depois voltar a escrever sobre tudo isso no meu caderninho que não tem nada de moleskini.

Minha loucura com os cadernos é tão arraigada que não consigo fazer uma viagem sem comprar um caderno pra mim. Depois fico com pena de usar, e os blocos vão se acumulando na minha parte do armário. Outro dia finalmente abri o bloco que comprei no Museu do Prado (uma capa linda, com detalhes do quadro Jardim das Delícias). Fiquei um tempão sem coragem de macular a primeira página, achando que nada do que eu escreveria seria digno daquele exemplar lindo de caderno.

2 comments:

Bruno Borsatto said...

Sempre quis ter um caderno para registrar meus pensamentos, ideias e talvez até mesmo meus desenhos, mas os meus pensamentos não são tão importantes assim, eu não sei desenhar e não tenho nada que penso que vele a pena registrar que eu não possa me lembrar depois.

bruna paixão said...

Bruno, que isso! Se eu parar pra avaliar qual pensamento meu vale a pena de ser registrado, não escreveria uma linha. Tenho medo de quem acha que seu pensamento é digno de registro. Eu nao tenho o caderninho porque meus pensamentos sao nobres; eu tenho um caderninho pra poder divagar em paz.
Enfim, sai dai e vai logo comprar o seu!